Pesquisar

Temas

Trabalhadores se reúnem com VP de Habitação da Caixa

A representação das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal se reuniram, na terça-feira (16), com a vice-presidenta de Habitação da Caixa, Inês da Silva Magalhães, para discutir sobre a atuação do banco na promoção do acesso à moradia e de políticas públicas que fomentem o desenvolvimento do país. Debate sobre o Saúde Caixa, a Fundação dos Economiários Federais (Funcef) e a resolução 42 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR 42) se estendeu também com a consultora da Presidência da Caixa.

Habitação
O balanço de 2023 da Caixa ainda não foi divulgado, mas os dados até setembro apontam que o banco respondia, naquele momento, por 68,8% da carteira de crédito imobiliário no país, com um volume de R$ 136,9 bilhões.

“A Caixa é líder de mercado no crédito habitacional, com atuação focada na população de baixa renda. A política de crédito da Caixa para este segmento é fundamental não apenas para a redução do déficit, mas para a revisão da política habitacional do país, uma vez que é sabido que existem moradias vazias que permitiriam abrigar o dobro de famílias que estão sem casa em todo o Brasil”, observou a coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt.

O Censo Demográfico Brasileiro aponta que existem 11,4 milhões de domicílios vagos, quase o dobro da falta de moradias do país.

“Por isso é tão importante discutirmos a política de crédito habitacional da Caixa, de modo que ela foque em quem realmente o busque para alcançar o objetivo da casa própria, e não para servir como especulação imobiliária e manutenção da desigualdade social”, disse o diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Rafael de Castro.

“Assim como a Caixa, as empregadas e empregados do banco se preocupam com o desenvolvimento do país e com a redução das desigualdades sociais e econômicas entre os brasileiros. Queremos um país mais justo e solidário”, disse o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto.

Além da vice-presidenta de Habitação, os superintendentes Nacional, Rodrigo Eduardo de Mello e de Operações Imobiliárias, Marlon Machado, também participaram da reunião.

Outros temas
Após o encontro, os representantes dos empregados estenderam o diálogo com a consultora da Presidência da Caixa, Salete Cavalcanti, e externaram as preocupações dos trabalhadores sobre o Saúde Caixa (o plano de saúde das empregadas e empregados da Caixa), a Funcef e a CGPAR 42.

“Acabamos de aprovar um aditivo ao nosso ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) sobre o Saúde Caixa, mas nossa preocupação com o teto de gasto do banco com a saúde dos trabalhadores (6,5% da folha de pagamentos) continua”, observou a coordenadora da CEE. “Precisamos revogar a CGPAR 42, que interfere na livre negociação entre empregados e as empresas públicas, e promover a remoção do teto de 6,5% que está estabelecido no estatuto da Caixa”, completou.

“Revogando esta resolução e acabando com o teto, vamos conseguir estabelecer negociações mais favoráveis às empregadas e empregados, tanto no que diz respeito ao Saúde Caixa, quando em relação à Funcef”, explicou o presidente da Fenae.

Compartilhe esse conteúdo