Pesquisar

Temas

Seminário “Impactos e Desafios para uma Transição Justa” segue com inscrições abertas

Evento, que debaterá saídas para um desenvolvimento sustentável que contemple os direitos da classe trabalhadora, contará com a participação de palestrantes de outros países, com tradução simultânea

Qual é o papel dos trabalhadores, por meio das entidades organizadas, para que o mundo consiga sair de uma economia poluente para uma economia sustentável e com a garantia de trabalho digno? Esse é o tema central do seminário “Impactos e Desafios para uma Transição Justa e Desenvolvimento Sustentável”, que a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) realizará no dia 8 de maio, das 9h às 17h30.

O evento é voltado para dirigentes sindicais bancários e será no formato híbrido, ou seja, poderá ser acompanhado online ou de forma presencial, na sede da entidade (rua Líbero Badaró, 158, 1º andar – Centro Histórico de São Paulo).

Clique aqui para fazer a sua inscrição para acompanhar pelo Zoom

Clique aqui para inscrições no formato presencial

A programação reunirá palestrantes brasileiros e de outros países, com tradução simultânea, para um balanço mais próximo do cenário da crise climática e das medidas para transição justa, que estão sendo ou podem ser tomadas na América Latina e Europa.

“A saída para a crise climática, que estamos enfrentando, e que é sem precedentes na história, só será possível com a articulação entre governo, sociedade e entidades organizadas. Não podemos mais aceitar o modelo capitalista e explorador que, além de provocar desemprego, pobreza e fome, causa danos permanentes para o planeta e para a nossa sobrevivência”, destaca a secretária de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Rita Berlofa.

A secretária de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Elaine Cutis, completa que o movimento sindical de trabalhadores, em âmbito mundial, alerta sobre o tema desde a década de 1990. “Desde então, levantamos a bandeira da transição justa, que é a construção de um modelo econômico seguro para a sobrevivência da humanidade, das espécies animais e vegetais, ao mesmo tempo garantindo emprego digno e fim das desigualdades tão aprofundadas e que resultam em misérias”.

O movimento sindical avalia que a humanidade possui condições tecnológicas e políticas suficientes para a transição justa, mas é preciso que a sociedade entenda e abrace o tema para pressionar os órgãos de decisão. “Não conseguimos avançar porque setores produtivos ainda se beneficiam com esse sistema, com esse modelo capitalista poluidor e exploratório. Então, é preciso mecanismos políticos, via taxação, por exemplo, para que eles sejam responsabilizados e pressionados para a mudança”, pontua Rita Berlofa.

A seguir, a programação completa.

PROGRAMAÇÃO
Seminário – Impactos e Desafios para uma Transição Justa e Desenvolvimento Sustentável

Data – 08/05/2024

Formato híbrido

Horário das 9h às 17h30

Manhã

9h – Abertura

Juvandia Moreira – Presidenta da Contraf-CUT

9h30 – 1ª Mesa – Participação via Zoom

Ben Richards – Assessor Político da UNI Global Union

– Solidariedade internacional e colaboração sindical: Abordar a importância da solidariedade internacional entre os sindicatos para enfrentar os desafios da transição justa.

Discutir a colaboração sindical em níveis regional e global, compartilhando experiências, melhores práticas e estratégias para a defesa dos direitos dos trabalhadores durante a transição.

– O papel do setor financeiro na transição justa: Como os bancos e instituições financeiras podem contribuir para uma transição justa para uma economia mais sustentável?

10h10 às 10h40 – Intervenções e considerações finais

10h40 às 11h20 – 2ª Mesa – Participação via Zoom

Natália Carrau – Licenciada em Ciência Política, integrante da Redes – Amigos da Terra – Uruguai. Fez parte da equipe da CSA e atualmente colabora com o sindicalismo regional;

– A visão de transição justa a partir da classe trabalhadora nas Américas. A captura corporativa da transição justa, o papel das empresas transnacionais, propostas dos trabalhadores para criação de emprego e defesa dos direitos fundamentais do trabalho em um marco de transição justa.

11h20 às 11h30 – Intervalo

11h30 às 12h10 – 3ª Mesa – Participação via Zoom

Juan Martin Sánchez – Federação Única de Viajantes da Argentina (FUVA), Diretor de Trabalho e Ambiente do Instituto do Mundo do Trabalho da Universidad Nacional Tres de Febrero (UNTREF).

– Diálogo social e negociação coletiva no setor financeiro: como envolver os sindicatos na definição de políticas e práticas sustentáveis;

– Experiências sindicais na promoção da transição justa no setor financeiro: estudos de caso e melhores práticas;

– Alianças e parcerias entre sindicatos e instituições financeiras: colaboração para promover a transição justa e garantir a proteção dos trabalhadores.

12h10 às 13h – Intervenções e considerações finais

13h às 14h – Intervalo para almoço

Tarde – Presencial

14h às 14h40 – 4ª Mesa

Nelson Karam – Economista, coordenador de estudos e pesquisas sobre Trabalho e Meio Ambiente do Dieese

– Formação e capacitação dos trabalhadores: explorar a necessidade de investir em formação e capacitação dos trabalhadores para que possam se adaptar às mudanças tecnológicas e às novas demandas da economia sustentável. Discutir o papel dos sindicatos na promoção do acesso a programas de formação e na defesa da qualificação profissional dos trabalhadores;

– Políticas e regulamentações para a transição justa no setor financeiro: como garantir que os investimentos sejam social e ambientalmente responsáveis.

14h45 às 15h25 – 5ª Mesa

Daniel Gaio – secretário de Meio Ambiente da CUT Nacional

– Visão cutista e propostas para a classe trabalhadora

15h30 às 15h45 – Intervalo

15h45 às 16h25 – 6ª Mesa

Renata Belzunces dos Santos – Doutora pelo Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina na Universidade de São Paulo (PROLAM-USP). No Dieese desde 2007, atua também em projetos que relacionam trabalho, sindicatos e meio ambiente.

– Diálogo social e negociação coletiva na transição justa: abordar a importância do diálogo social entre sindicatos, empregadores e governos na definição de políticas de transição justa. Discutir a inclusão da transição justa nas negociações coletivas e como os sindicatos podem garantir a proteção dos direitos trabalhistas durante a transição.

16h25 às 17h10 – Intervenções

17h10 às 17h30 – Considerações finais

Compartilhe esse conteúdo