Pesquisar

Temas

Financiários aprovam pauta de reivindicações

Por unanimidade, os trabalhadores de financeiras da base de atuação do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região aprovaram a pauta de reivindicações que será negociada com a Fenacrefi.

A deliberação ocorreu em assembleia virtual (online) realizada nesta terça-feira 9 e quarta-feira 10. Os trabalhadores decidiram a favor das seguintes pautas:

Autorização da diretoria deste Sindicato para negociar e celebrar Instrumentos Coletivos de Trabalho com a Fenacrefi e, frustradas as negociações, defender-se e/ou instaurar dissídio coletivo de trabalho, bem como delegar poderes para tanto;

Aprovação do pré-Acordo e da pauta de reivindicações da categoria dos financiários. 

Confira os principais pontos da pauta

  • Reajuste salarial e da PLR pelo INPC/IBGE auferido entre junho de 2023 e maio de 2024, mais aumento real de 5%;
  • Aumento do valor da parcela adicional da PLR, com a proibição da compensação de valores dos programas próprios;
  • Aumento diferenciado nos vales alimentação e refeição pelo INPC de junho de 2023 a maio de 2024, mais 7% de aumento real (cálculo que leva em consideração a inflação da alimentação fora de casa e domiciliar);
  • Manutenção de todas as cláusulas sociais garantidas pela CCT atual, com avanços e melhorias; como períodos maiores de estabilidade no emprego;
  • Cláusula de prevenção ao assédio moral e sexual;
  • Igualdade de oportunidades;
  • Vigência de dois anos da CCT – a convenção vigente tem validade de 1º de junho de 2022 a 31 de maio de 2024. A data-base (período do ano em que patrões e empregados representados pelos sindicatos se reúnem para negociar a CCT) da categoria financiária é 1º de junho;
  • Auxílio-transporte/auxílio-combustível para deslocamento noturno;
  • Vale-transporte com percentual diferenciado e mais vantajoso ao empregado;
  • Abrangência da CCT para todos os empregados que atuam em financeiras, prestadoras de serviços de crédito, administradoras de cartões de créditos, promotoras de venda e crédito, sociedades de crédito imobiliário, associações de poupança e empréstimo, empresas de arrendamento mercantil etc.;
  • Folga assiduidade de 5 dias por ano;
  • Definição de regras para o teletrabalho, incluindo ajuda de custo de R$ 500 por mês, a ser reajustado;
  • Garantia de as empresas concederem vacinas contra gripes e demais epidemias, a empregados e dependentes.

Após ratificada pela categoria, por meio da assembleia, a pauta de reivindicações será entregue e negociada com a Fenacrefi, sindicato patronal que representa financeiras como Nubank, Portoseg, Alfa, Easycred, JBCred, BRK, Midway, Crefisa, CCB e Aymoré.

O objetivo é a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho, na qual estão clausulados todos os direitos, benefícios e condições da categoria dos financiários.

“Agradecemos a participação dos trabalhadores que votaram na assembleia. É fundamental a mobilização de todos os financiários para que possamos construir uma campanha nacional forte, exitosa e que resulte em aumento salarial e da PLR acima da inflação, além da manutenção de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho e da ampliação de conquistas”, afirma Neiva Ribeiro, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

“Queremos melhorar cada vez mais as condições de trabalho e construir uma organização dos trabalhadores do ramo financeiro que garanta e amplie nossos direitos conquistados. E para isso, é fundamental a mobilização e a participação de todos”, acrescenta a dirigente.

Compartilhe esse conteúdo