Pesquisar

Temas

Dra. Margareth Dalcolmo: “não é hora de tirar máscara em ambiente fechado”

”A pandemia não acabou e não vai acabar por decreto. Mesmo que os bancos retirem a obrigatoriedade do uso de máscaras, nossa recomendação é que os trabalhadores sigam utilizando máscaras”, informa o secretário de saúde do seeb SP

 
Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, a pneumologista e esquisadora da Fiocruz Dra. Margareth Dalcolmo, um dos principais nomes da linha de frente no combate à pandemia da covid-19, disse considerar muito precipitado o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes fechados, como decretado pelo governador de São Paulo, João Doria, na semana passada.

“Estou muito preocupada com esse afã muito precipitado de tomar medidas administrativas e comportamentais, como retirar a exigência do uso de máscaras em ambientes fechados. Considero um erro. Não é hora de tirar máscara em ambiente fechado. Essa é outra discussão com a qual não deveríamos estar perdendo tempo. A prioridade agora é vacinar criança, convencer os pais da importância da vacina.”
Margareth Dalcolmo, pneumologista e pesquisadora

Os sindicatos de bancários também avaliam que a decisão do governo paulista é precipitada, sendo um medida política, e não científica, defendem e recomendam o uso de máscaras, em agências e departamentos bancários, para bancários, terceirizados e clientes. 
 
“Agência são locais fechados, com pouca ventilação e por onde circulam um grande número de pessoas todos os dias. Os departamentos também são locais com enorme concentração de pessoas. Nossa reivindicação é a manutenção da obrigatoriedade do uso de máscaras em agências e departamentos, tanto para bancários e terceirizados quanto para os clientes. A pandemia não acabou e não vai acabar por decreto. Mesmo que os bancos retirem a obrigatoriedade do uso de máscaras, nossa recomendação é que os trabalhadores sigam utilizando máscaras, mantendo o distanciamento social, utilizando álcool gel e evitando aglomerações. Nossa prioridade continua sendo a vida dos bancários e daqueles que o cercam”
Carlos Damarindo. secretário de Saúde e Condições de Trabalho do Sindicato de SP

Compartilhe esse conteúdo