Pesquisar

Temas

Cabesp ignora reivindicações dos beneficiários sobre convênio com a CNU

Mais uma vez a Cabesp se mostra intransigente às reivindicações dos beneficiários. A Caixa Beneficente respondeu na quinta-feira (5) a correspondência enviada à presidência pelas entidades de representação (Afubesp, Afabesp, Abesprev, Sindicato dos Bancários de São Paulo, Fetec-SP, Feeb SP/MS e Contraf) a respeito das mudanças anunciadas sobre os convênios reciprocidade em todo o país.

Na resposta, assinada novamente por uma advogada, a Caixa insiste que “não houve qualquer prejuízo aos associados” quanto à rede credenciada, ignorando a preocupação de muitos associados quanto ao impacto que a mudança de operadora terá no atendimento de profissionais já conhecidos.
O documento argumenta que a contratação da Central Nacional Unimed (CNU) teve objetivo de “propiciar maior qualidade” aos atendimento nos estados em que as operadoras de convênio reciprocidade enfrentavam problemas na prestação de serviços.

Diz, ainda, que os serviços das antigas prestadoras cessarão em 60 dias (salvo em casos de internação e procedimentos em andamento). Como “solução” ao questionamento das entidades sobre associados que tenham profissionais que acompanham a longa data, a Cabesp afirma que “permanecerá garantindo o atendimento aos beneficiários através do reembolso”, além de promover mais uma vez os serviços de telemedicina.

Para o presidente da Afubesp Camilo Fernandes, a Cabesp deveria se abster de citar o sistema de livre escolha reembolsável, “uma vez que o valor dos reembolsos são absolutamente irrisórios e incapazes de minimamente auxiliar no custeio particular”.

As associações consideraram positivo o anúncio do convênio com a CNU, porém, requisitaram à Cabesp que os outros convênios em vigor fossem mantidos para que haja ainda mais opções sem perda de nenhum especialista, ponto recusado pela Cabesp. Os representantes solicitaram anteriormente um canal exclusivo para tirar dúvidas dos associados e a divulgação ampla de informações, coisa que a Cabesp se limitou a dizer que os interessados podem buscar atendimento via Fale Conosco.

A nova operadora atuará no Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins.
“Aqueles associados ou associadas que tiverem algum problema com o novo convênio devem acionar a ouvidoria da Cabesp (0800 722 2636) e relatar o problema para as associações”, sugere o presidente da Afubesp, Camilo Fernandes. Se mesmo assim a Cabesp não solucionar a demanda, é possível fazer denúncia na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) por meio do site www.gov.br/ans.

As entidades de representação estão estudando as medidas cabíveis para tratar de mais essa postura do Santander e da Cabesp.

Compartilhe esse conteúdo