Pesquisar

Temas

Ação civil pública impede audiência sobre privatização da Sabesp nesta segunda (06)

Justiça acata pedido de liminar em ação popular apresentada pelo deputado estadual Luiz Claudio Marcolino (PT) pela vice-presidenta da CUT, Ivone Silva, e pela presidenta do Seeb SP, Neiva Ribeiro.

O juiz Raphael Augusto Cunha, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, suspendeu neste domingo (5) a audiência pública sobre a privatização da Sabesp marcada para a tarde desta segunda-feira (6), na Assembleia Legislativa (Alesp). Segundo o magistrado, o presidente da Casa, André do Prado (PL), deu prazo curto para a divulgação do debate com a sociedade, o que é mais uma ilegalidade.

No sábado (4), o Ministério Público deu parecer favorável ao pedido de liminar por meio ação popular apresentada no dia anterior pelo deputado estadual Luiz Cláudio Marcolino (PT), a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Neiva Ribeiro e a vice presidenta da Cut SP, Ivone Silva. Os autores apontam ilegalidades existentes na convocação de audiência pública sem que haja tempo para divulgação.

“É importante que a população seja convocada, de forma organizada, para uma audiência pública sobre a privatização da Sabesp, não pode ser feita de forma arbitrária, às pressas, como quer o governador Tarcísio de Freitas evitar debater o assunto em 2024, ano eleitoral”, afirmou Neiva Ribeiro, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região e uma das autoras da ação civil pública.

“Além disso, véspera de um feriado prolongado desmobiliza os setores da sociedade. Temos um plebiscito popular que está colhendo a opinião da população sobre a privatização da Sabesp, Metrô e CPTM. Vamos entregar, nesta segunda (06) às 09h a intimação ao presidente da Alesp, André do Prado, alertando que a audiência não pode ser realizada”. 

 

Compartilhe esse conteúdo