Pesquisar

Temas

CUT celebra 40 anos com festa popular neste sábado (26), na Praia Grande

Central Única dos Trabalhadores nasceu em plena ditadura militar já lutando pela redemocratização do país

A CUT celebra 40 anos de uma história de lutas e conquistas, neste sábado (26), na cidade de Praia Grande, litoral sul de São Paulo com shows musicais gratuitos, batalhas de Slam, feiras gastronômica e de artesanato e outras atividades artísticas e culturais. A atração que fecha o evento é a Banda Ira!

Veja abaixo a programação e as participações.

A CUT foi fundada em 28 de agosto pela vontade soberana de 5.059 delegados e delegadas que participaram do 1º Congresso Nacional da Classes Trabalhadora, na extinta Companhia Cinematográfica Vera Cruz, na cidade paulista de São Bernardo do Campo.

A Central nasceu para consolidar o que foi debatido e deliberado dois anos antes, na Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat), realizada em 1981, no Sindicato dos Têxteis, na Praia Grande, a cidade que agora acolhe o início das comemorações pelos 40 anos da Central.

Presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, relembra que desde os anos 1980, os trabalhadores e trabalhadoras deixaram um legado de resistência e mobilização.

“Foi um período duro, mas muito vitorioso e nossa geração tem muito do que se orgulhar e valorizar o que construímos, a mais longeva central sindical do país, que ajudou a conquistar avanços muito acima da legislação trabalhista e foi fundamental para derrotar a ditadura, a primeira, no início dos anos 1980 e agora, com a eleição do presidente Lula, na retomada da democracia do país”, diz Sérgio Nobre, referindo-se aos últimos anos do governo do genocida Jair Bolsonaro (PL).

Maior e mais representativa

A CUT nasceu em plena ditadura militar já lutando pela redemocratização do país, com a tarefa de romper com o modelo econômico, social e político que o Brasil enfrentou de 1964 a 1985, que perseguia e oprimia a toda a população, mas principalmente a classe trabalhadora.

A Central surgiu como uma organização sindical brasileira de massas de caráter classista, autônomo e democrático. Uma organização com o compromisso de defender os interesses imediatos e históricos da classe trabalhadora, baseada em princípios de igualdade e solidariedade, para organizar, representar sindicalmente e dirigir a luta dos trabalhadores e trabalhadoras da cidade e do campo, do setor público e privado, ativos e inativos, por melhores condições de vida e de trabalho e por uma sociedade justa e democrática.

Com 3.960 entidades filiadas, 7,9 milhões de trabalhadoras e trabalhadores associados e 25,8 milhões de trabalhadoras e trabalhadores na base, está presente em todos os ramos de atividade econômica do país.

Baseados em princípios de igualdade e solidariedade, os objetivos da CUT são organizar, representar sindicalmente e dirigir a luta dos trabalhadores e das trabalhadoras da cidade e do campo, do setor público e privado, ativos e inativos por melhores condições de vida e de trabalho e por uma sociedade justa e democrática.

Apesar de tantas conquistas ligadas à afirmação da igualdade, contra a discriminação racial, em defesa dos direitos humanos, contra o regime autoritário e na construção de uma sociedade democrática, mais justa, mais humana, plena de direitos, Sérgio Nobre destaca que a Central observa o futuro como algo desafiador e que há muitas lutas para enfrentar.

A começar pela consolidação da democracia, com a prisão do ex-presidente, hoje inelegível, Jair Bolsonaro (PL) e a vitória de candidatos do campo progressista nas eleições municipais de 2024, a implementação de comitês de luta nos bairros para levar discussões importantes e oferecer serviços como a comercialização de produtos da agricultura familiar, a defesa incansável da geração de emprego de qualidade com salário digno e proteção social e a transformação do modelo sindical.

“Enquanto não houver um novo modelo sindical, capaz de representar toda a classe trabalhadora, não apenas aquela com carteira assinada, a CUT não terá cumprido seu papel histórico. No governo Lula, temos uma mesa que discute isso e não podemos perder essa oportunidade”, ressalta o presidente.

A festa é do povo

Passados 40 anos, a CUT retorna para Praia Grande com o povo, em uma festa aberta ao público, gratuita, com arte, cultura e música, com início às 17h e previsão de término às 22 horas.

No palco serão realizados cinco shows: Kimani, Os D’Jorge, Escola de Samba Unidos do Peruche, Slam (batalha de poesia) e a Banda Ira, que fará o encerramento. As atividades artísticas e culturais, feiras gastronômica e de artesanato, Espaço Grafitti, Slam das Minas SP e Slam do 13 serão na rua.

A festa será na Avenida dos Sindicatos, 523, em frente à Colônia de Férias Sinergia, é uma realização da CUT Nacional com o apoio da Prefeitura Municipal de Praia Grande e patrocínio cultural do Conselho Nacional do Sesi

SERVIÇO
Festa de comemoração dos 40 anos da CUT
Sábado – 26 de agosto | 17h às 22h
Local: Avenida do Sindicato, 523 – Praia Grande (SP) – Em frente à Colônia de Férias do Sinergia

Programação
Na rua a partir das 17h – Feira de Artesanato, Food Trucks e Oficinas de Técnicas de Grafitti em Camisetas, Sacolas e Latinhas, Slam (batalhas) de Poesias aberta ao público

 No palco a partir das 18h
– Show do grupo Os D’Jorge (samba)
– Apresentação especial da bateria e passistas da escola de samba Unidos do Peruche
– Show de Encerramento do grupo IRA!

Realização: CUT Nacional
Patrocínio cultural: Conselho Nacional do SESI

Compartilhe esse conteúdo