Pesquisar

Temas

Caixa devolve prédios, deixa empregados sem local de trabalho, mas despesas só aumentam

Há casos em que se busca um local externo de coworking para que os empregados tenham onde desenvolver suas atividades

 
Em novembro, a direção da Caixa apresentou as demonstrações financeiras do terceiro trimestre do ano. Um dos destaques que os administradores da empresa deram foi ao fato de que, por determinação da presidência de Pedro Guimarães, o número de prédios administrativos foi reduzido. Na lâmina 48 da apresentação de resultados, a quantidade de prédios passou de 179 para 96 entre o início deste ano e o final de setembro.

Os efeitos têm sido sentidos pelos empregados: com a determinação de vice-presidências para os empregados da maioria das áreas retornarem ao trabalho presencial, os colegas têm se deparado com a falta de espaço físico.

Em alguns casos, estão “procurando local para trabalhar” em uma outra unidade; em outros, a chefia estuda aplicar o MN RH 226; em outros, a alternativa que se avalia é o compartilhamento de estação de trabalho.

Há casos em que se busca um local externo de coworking para que os empregados tenham onde desenvolver suas atividades. Resumindo: sem planejamento da alta administração não há padrão, imperam as soluções “caseiras”, e que causam problemas para os empregados e conflitos nos locais de trabalho.

Em termos financeiros, pelos números apresentados na nota explicativas do balanço patrimonial do banco, na página 78, a estratégia não está sendo eficiente, se o objetivo é aumentar a economia. Houve aumento nas despesas de aluguel na comparação com igual período do ano anterior e entre os acumulados. Além disso, observa-se aumento considerável nas despesas de água e energia, fruto da ordem para que os empregados retornem ao trabalho presencial.

“É dever da administração do banco garantir aos empregados condições adequadas de trabalho. Nossos colegas têm relatado os impactos que as decisões da direção têm trazido. Estamos procurando os representantes da direção para cobrar uma solução para os problemas que a própria administração da Caixa causou”, relatou o diretor-presidente da Apcef/SP, Leonardo Quadros.

Condições de trabalho – A representante dos empregados eleita para o Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, realizou uma consulta sobre a realidade das condições de trabalho oferecidas pelo banco, que finalizou no dia 16. “Com base nestes dados, vamos discutir ações com a direção para melhoria no dia a dia dos trabalhadores”, explicou Leonardo Quadros.

Compartilhe esse conteúdo