Segunda , 28 Julho , 2014
   
Fonte

tetec_logo_globo

Dez possibilidades para pedir revisão de aposentadoria ao INSS

As constantes alterações realizadas pelo governo para combater o déficit da Previdência Social, que atingiu, em 2004, o patamar de R$ 32 bilhões, abriram "brechas" legais que permitem aos aposentados e pensionistas do INSS pedir a revisão de suas aposentadorias. Aproveitando essas "brechas" na legislação, a advogada paulista Cláudia Timóteo, especializada em Direito Previdenciário , levantou dez possibilidades para o pedido de revisão dos benefícios para os aposentados e pensionistas do INSS.

"Devido às alterações na legislação previdenciária, o governo acaba cometendo injustiças no cálculo da renda inicial dos aposentados e pensionistas do INSS que durante muitos anos contribuíram para a previdência social, com a esperança de receber, ao se aposentarem, o benefício condizente à realidade. Agora, existem dez possibilidades legais do aposentado ou pensionista rever os valores de seus vencimentos", afirma a advogada.

Ela alerta que, para realizar o pedido da revisão, o caminho não é complicado: "o aposentado deverá ingressar com ação judicial em face do INSS perante o Juizado Especial Federal ou Vara Previdenciária, devendo inicialmente ter em mãos a carta de concessão de aposentadoria, memória de cálculo ou relação de contribuição", explica.

A advogada Cláudia Timóteo afirma que para as dez possibilidades de revisão existem decisões favoráveis nos TRFs e no STJ: "Nos casos de ORTN/OTN, URV e pensão 100%, todas as ações estão sendo julgadas procedentes pelo Juizado Especial, desde que o beneficiário preencha todos os requisitos necessários para revisão".

 

Confira a tabela completa sobre as dez possibilidades para o pedido de revisão das aposentadorias.

 

 

Tipo de ação

 

Beneficiários

 

O que muda para o aposentado

 

Tempo de julgamento

 

1. Revisão de aposentadoria - OTN/ORTN.

 

Aposentados com benefícios iniciados entre 17/06/77 a 05/10/88.

 

Ganha reajuste de até 52,7% no benefício mensal e tem direito aos atrasados (não pagos nos últimos cinco anos), que são, em média, R$ 10 mil.

 

Até seis meses.

 

2. Aposentadoria especial pelo tempo trabalhado após novembro de 1998.

 

Aposentados que tiveram o benefício negado por falta de laudo médico.

 

Ganha reajuste no benefício proporcional ao tempo trabalhado a mais e tem direito aos valores atrasados. Se a aposentadoria não foi dada até agora, ele tem direito ao benefício e aos atrasados.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

3. Revisão de aposentadoria - aplicação do IRSM de fevereiro de 1994 (39,67%) e da URV.

 

Aposentados com benefícios iniciados entre 01/03/94 a 28/02/97.

 

Ganha reajuste de até 39,67% no benefício mensal e tem direito aos valores atrasados que são, em média, R$ 10 mil.

 

Até seis meses.

 

4. Revisão de pensão - coeficiente de 100%.

 

Pensionistas com benefícios de pensão por morte iniciados entre 05/10/88 e 28/04/95, em que o percentual seja inferior a 100%.

 

Tem direito a receber o valor integral do benefício do segurado morto e também aos atrasados que são, em média, R$ 14 mil.

 

Na primeira instância até três meses. Na segunda, até dois meses.

 

5. Aposentadoria especial - concessão de tempo especial, pelo tempo trabalhado até 20/11/98.

 

Aposentados ou pessoas que tiveram negado o direito ao benefício em razão de não-aceitação da conversão de tempo especial em tempo comum comprovados por SB-40.

 

 

Ganha reajuste no benefício proporcional ao tempo trabalhado a mais e tem direito aos valores atrasados. Se a aposentadoria não foi dada até agora, ele tem direito ao benefício e aos atrasados.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

6. Aposentadoria por idade - carência mínima.

 

Segurados do INSS que tiveram pedido de aposentadoria por idade indeferida por falta de contribuição mínima.

 

 

Ganha o direito à aposentadoria, que nesse caso é de um salário mínimo e pode ter direito a atrasados a contar do pedido de aposentadoria.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

7. Aposentadoria e auxílio-acidente.

 

Beneficiários de auxílio-cidente iniciado antes de 10/12/97 e que, com aposentadoria posterior teve cancelado o auxílio-acidente.

 

 

Ganha o direito a receber os dois benefícios, de forma cumulativa, com o pagamento dos valores atrasados.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

8. Pensão por morte - valores atrasados.

 

Pensionista de segurado falecido em data anterior a11/12/1997, em que a ação foi deferida tendo como início a do requerimento, e não a do óbito.

 

 

Ganha os valores atrasados, a contar da morte do segurado até hoje.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

9. Contagem de tempo rural para fins de aposentadoria.

 

Trabalhadores rurais que atuaram em pequena propriedade da família, sem ajuda de empregados, antes de julho de 1991.

 

Ganha a contagem do tempo de serviço no campo no cálculo da aposentadoria.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

10. Contagem de tempo de serviço de aluno-aprendiz.

 

Aqueles que solicitaram a contagem do tempo no INSS e tiveram indeferido o pedido. Devem comprovar que havia bolsa de estudo, paga pelo orçamento da União.

 

Ganha a contagem do tempo como aluno-aprendiz no cálculo da aposentadoria.

 

Mínimo de um ano e máximo de três.

 

Fonte: Advocacia Innocenti e Associados

 

Copyright FETEC-CUT / SP. Todos os direitos reservados. Politica de Privacidade Powered by Joomla - Criação de Sites