Webmail
terça-feira, 6 de dezembro de 2022

EM CIMA DA HORA

publicado em 19/11/2022

12º Congresso da Fetec/CUT-SP debate a reconstrução do Brasil


Guilherme Boulos: ‘’Nossa batalha mais importante é pacificar o país e jamais esquecer os crimes cometidos nesses últimos anos pela extrema direita’’

Deputado federal eleito com um milhão de votos participou da mesa de Conjuntura do 12o Congresso da Fetec CUT SP. Luiz Claudio Marcolino, eleito deputado estadual, abordou os desafios para o estado de São Paulo


Eleito com mais de um milhão de votos por São Paulo como deputado federal, Guilherme Boulos participou, junto com Aline Molina, presidenta da Federação, Neiva Ribeiro, secretária geral do Seeb SP e Luiz Claudio Marcolino, eleito deputado estadual, da Mesa de Debates do 12o Congresso da Fetec CUT SP, que acontece neste final de semana em Atibaia.

Filósofo, professor, escritor, psicanalista e ativista político, Guilherme Boulos congratulou a força da categoria bancária na luta por direitos trabalhistas. Ele também celebrou o fato de as principais entidades sindicais do país, representando bancários e bancárias, terem mulheres na liderança.
‘’A categoria bancária é um exemplo grandioso para todo o país por ter mulheres dirigindo entidades tão importantes como a Fetec São Paulo (Aline Molina), a Contraf CUT (Juvandia Moreira)  e o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região (Ivone Silva)."

“Temos duas batalhas que teremos de enfrentar no próximo período. A primeira delas será derrotar o bolsonarismo, com esse caldo de extrema-direita. A derrota do Bolsonaro na urna não significa que essa turma desapareceu. A segunda é a batalha sobre a agenda e projeto de país. Derrotamos Bolsonaro, mas precisamos derrotar a agenda política do governo Bolsonaro. Inclusive, fazer essa disputa com gente que estava contra o Bolsonaro na eleição, mas que agora já está fazendo coro com o mercado para sequestrar uma pauta que foi eleita por mais de 60 milhões de brasileiros”, avalia o deputado federal mais bem votado em São Paulo.

“Para reconstruir o Brasil nós vamos precisar botar nossa agenda. Vai ter de ter uma política fiscal mais flexível. Não tem como 33 milhões de pessoas com fome. Olha o tanto de gente morando na rua. Como não vamos ter investimento em política habitacional emergencial. E a política habitacional, assim como infraestrutura e saneamento básico tem um outro efeito. Vocês sabem bem disso. Aqui tem gente da Caixa, do BB, que são nossos bancos públicos que mais financiam essas políticas. Tem o efeito direto de emprego e renda, de aquecer a economia, fortalecer a economia local. Nós vamos ter de fazer esse pacote robusto de investimento social no primeiro ano”, acrescentou.

Desafios para São Paulo

Luiz Claudio Marcolino traçou um amplo panorama da conjuntura política após as eleições e enfatizou a importância dos movimentos sociais e sindical paulistas se apropriarem das políticas públicas implementadas pelo futuro governo Lula, evitando assim que prefeitos de outro campo político levem crédito indevido pelas mesmas.

“Nós temos um desafio. A pauta que será colocada será uma pauta nossa. Teremos agora o orçamento do governo federal aplicado em São Paulo. Só que muitas vezes, nós, dos movimentos sindical e social, não nos apropriamos do investimento do governo federal em São Paulo (...) Temos que trabalhar a informação, sobretudo, do que for feito pelo governo Lula, nos próximos quatro anos, com os movimentos social e sindical, com os partidos, em cada cidade de São Paulo”, destacou Marcolino.

“É muito importante acompanhar o orçamento federal em cada município. Se a gente não se apropriar das políticas sociais do presidente Lula, em cada cidade que a gente mora, outros agentes irão se apropriar das políticas públicas federais como se fossem dele. Não podemos deixar isso acontecer novamente”, acrescentou o deputado estadual eleito.

Por fim, a secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro, destacou a importância dos trabalhadores organizados continuarem a ocupar espaços nas ruas e redes.

“As brigadas digitais foram muito importantes, os comitês de luta foram muito importantes, a gente conseguir repensar uma comunicação diferente foi importante, abrir espaço para conversar com os evangélicos foi importante... Fizemos uma série de coisas importantes e entendo aqui, com as falas do Boulos e do Luiz Claudio, que teremos de manter essas estratégias de estar nas ruas, nas redes, abrindo os sindicatos para os movimentos sociais, juventude, LGBTQIA+. Vamos ter de ocupar os espaços”, concluiu Neiva.   Fonte: Fetec SP e Seeb SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil