Webmail
terça-feira, 21 de maio de 2019

Notícias

publicado em 02/05/2019

No 1º de Maio, centrais aprovam greve contra reforma em 14 de junho

Ato em São Paulo, no Anhangabaú, reuniu pela primeira vez todas as centrais sindicais do país, além das frentes Povo sem Medo e Brasil Popular. Cerca de 200 mil pessoas estiveram presentes para protestar contra a PEC 6/2019, que dificulta a aposentadoria de milhões de brasileiros.

Em um 1º de Maio histórico, porque pela primeira vez todas as centrais sindicais se uniram em atos conjuntos pelo país, as entidades aprovaram uma greve geral no dia 14 de junho contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro, que vai tornar a aposentadoria um sonho distante para milhões de brasileiros.

Em São Paulo, o ato político e cultural no Vale do Anhangabaú reuniu cerca de 200 mil trabalhadores, durante toda a quarta-feira. Na ocasião, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, conduziu votação entre os presentes, que aprovou por unanimidade a greve para o dia 14. “Está aprovado! O Brasil irá parar em defesa do direito à aposentadoria dos brasileiros e das brasileiras. A única forma de barrar essa reforma é fazer o enfrentamento nas ruas. É greve geral”, disse.

“A proposta de Bolsonaro e seu guru, Paulo Guedes [ministro da Economia], é cruel com o povo. Querem acabar com o auxílio-doença, dificultar o auxílio-maternidade, acabar com o direito dos trabalhadores, sobretudo os mais pobres, de receberem pensão e aposentadoria para sobreviver. É por isso que vamos parar dia 14.”

Veja como reforma prejudica você

O texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, que na próxima semana começa a ser analisada em Comissão Especial na Câmara dos Deputados, acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e institui idades mínimas para se aposentar (mulheres aos 62 anos e homens aos 65 anos) junto com tempo mínimo de contribuição maior: de 15 anos, como é hoje, passaria a ser obrigatório contribuir por no mínimo 20 anos. Ou seja, para se aposentar a mulher terá que alcançar os 62 anos de idade e ter 20 anos de contribuição, e não poderá se aposentar se chegar aos 62 anos sem os 20 anos de contribuição. Para os homens a mesma coisa: terá que chegar aos 65 anos com 20 anos de contribuição, caso contrário, não se aposenta e deverá continuar contribuindo para o INSS para alcançar o tempo mínimo de aportes à Previdência.

Além disso, com os 20 anos os trabalhadores só conseguirão receber 60% do benefício. Para receber o benefício integral, terão de contribuir por 40 anos, o que em tempos de reforma trabalhista, de contratos precários e informais e desemprego, é quase impossível de alcançar.

Outro grande prejuízo aos trabalhadores é que a PEC 6/2019 diminui os valores dos benefícios: atualmente retira-se do cálculo da média os 20% salários mais baixos, o texto da reforma exclui essa regra e determina que a média leve em conta todos os salários recebidos ao longo da vida laboral, incluindo os 20% mais baixos, em geral os de início de carreira.

Pressione!

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) criou uma ferramenta para facilitar o envio de mensagens contra a reforma da Previdência aos parlamentares. Além disso, os cidadãos ainda podem votar "discordo totalmemente" na consulta pública aberta pela Câmara dos Deputados sobre a PEC 6/2019. 

A CUT também reformulou o hotsite Na Pressão, que facilita o envio de mensagens aos parlamentares. Para cada etapa de tramitação da reforma da Previdência (PEC 6/2019), o Na Pressão terá uma campanha específica para os trabalhadores enviarem mensagens aos deputados reivindicando deles a não aprovação da matéria. 

Solução é reforma tributária

Vagner Freitas destacou que, se o problema do governo é arrecadação de recursos, as centrais sindicais têm uma proposta de reforma tributária para apresentar. “Se Guedes quer arrecadar R$ 1 trilhão que vá tributar os ricos e milionários que têm jatinho, avião e jet ski. Não venha querer tirar do povo trabalhador”, disse o presidente da CUT, lembrando que no Brasil não se cobra impostos sobre esses bens de luxo, como aviões, helicópteros e iates, não são cobrados IPVA.

Ele informou ainda que a proposta de reforma tributária das centrais foi construída em conjunto com a Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal).

  Fonte: FETEC-CUT/SP com CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil